Quanto custa contratar um arquiteto em Brasília?

04/06/2019, by admin, in blog, 0 comments

Quanto custa contratar um arquiteto em Brasília?

Contratar um arquiteto em Brasília com preço e condições acessíveis é possível desde que o cliente saiba selecionar os profissionais certos e dialogar a respeito dos projetos.

Foi-se a época em que o brasiliense precisava contratar profissionais de outros estados para elaboração de seus projetos, fosse de construção ou reforma. No entanto, nas últimas décadas, a capital do país já dispõe de excelentes profissionais para atender a essa demanda, seja em Brasília ou no entorno.

Como contratar um arquiteto?

Além de procurar boas referências e indicações de amigos, não é indicado contratar um profissional de qualquer maneira. O fator preço e qualidade devem caminhar juntos, pois nem sempre o mais caro é o melhor e o mais barato costuma sair, de fato, mais caro.

Veja em quê e como o profissional poderá te atender na solução que precisa. Esteja atento ao escopo, ou seja, o que está ou não incluído no contrato. Não tenha pressa em analisar as opções. Esclareça suas dúvidas antes de proceder com a contratação. É muito importante firmar um contrato de prestação de serviços com garantias e registros para evitar dores de cabeça no futuro.

Deve-se enfatizar também a importância de estabelecer para o profissional o tipo de trabalho e objetivo que se pretende ao reformar ou construir uma casa. Caso você esteja na dúvida sobre o que quer (e isto acontece com certa frequência), sugiro que as exponha ao arquiteto. Ele poderá te auxiliar nisto, te questionando quanto às suas reais necessidades e demandas.

Além de avaliar o orçamento, tenha em mente outros critérios muito importantes. Procure profissionais graduados, com experiência e portfolio, capacidade técnica e especializada para atender plenamente aos seus objetivos.

Avalie ainda a região em que o arquiteto atua. Quando um cliente de Brasília contrata um profissional que atua na área, os procedimentos de registros e liberação da obra podem ser mais rápidos do que contratar um profissional de outro estado que não conhece os trâmites e exigências legais da cidade.

As etapas do trabalho do arquiteto.

O trabalho de um arquiteto começa listando os objetivos e necessidades do cliente. Outras demandas são avaliadas ainda nesta fase, como orçamento disponível e prazos a serem atendidos. No caso de contratação por pessoa física, o profissional precisa também entender um pouco como é a personalidade do seu cliente, seus hábitos e costumes.

Após estas conversas iniciais, que podemos chamar de levantamento, o arquiteto procede com o início do projeto propriamente dito: o estudo preliminar. Nesta fase, o profissional começa a concretizar todas as intenções, suas e as do cliente. Inicia-se o processo criativo do arquiteto, onde serão expostas suas ideias por meio de uma única ou mais soluções, a depender do nível de complexidade.

O estudo preliminar somente é finalizado após aprovação do cliente. O arquiteto dever apresentar sua solução com argumentos que possam trazer segurança e confiabilidade, aliados à sua intenção estética e funcional.

Após esta etapa, segue-se o anteprojeto. Na prática, isto é o projeto que informa sobre as relações que a proposta da arquitetura terá com as demais disciplinas da engenharia: estrutura, instalações de água, esgoto, elétrica, telefonia e outras.

Por fim, segue-se o projeto executivo, que é o projeto final após as adequações entre todos os projetos envolvidos na sua obra. É nesta fase que se garante que um elemento da estrutura não vai interferir com o projeto de iluminação… ou que outras interferências deste tipo possam ocorrer durante a obra, gerando retrabalhos e custos extras desnecessários.

Quando contratar um arquiteto.

O projeto de arquitetura deve ser contratado em diversas situações que requeiram alguma modificação do espaço, seja por meio da decoração, de alteração de revestimentos ou para, nos casos mais estruturais, oferecer soluções para remodelação completa de uma residência ou empresa.

Alguns exemplos muito comuns: aumentar as dimensões de um quarto ou diminuir um cômodo para criar um home office, reduzir a sala para criar um novo quarto de hóspedes, transformar uma kitnet em um apartamento de um quarto, abrir cozinha americana, dentre outros.

Empresas de diferentes portes também contratam o serviço de arquitetura para adequar suas necessidades às atividades que serão desenvolvidas, trazendo soluções que podem implicar em reestruturação hidráulica, elétrica e demais sistemas. Pode ser que a intervenção seja apenas a remodelação do mobiliário para gerar um melhor ambiente de trabalho para os seus funcionários.

Em Brasília, percebe-se que a contratação de arquiteto para reforma está muito ligada à antiguidade dos imóveis, que carecem de manutenção e precisam passar por transformações muito grandes. Em outras situações, ele também é contratado para “arrumar” aquela obra que não ficou como o esperado, seja pela falta do profissional desde o início ou por terceirização da obra a pessoal não qualificado.

A ilegalidade de muitas edificações, principalmente residenciais, implica em muitas obras malfeitas, inacabadas por falta de planejamento e carentes de conforto adequado, sem dizer na estética duvidosa. Em muitos casos, a pessoa somente terá a percepção destes estragos depois que receber a obra pronta. Neste momento se dá conta que poderia ter contratado um arquiteto desde o início, e que provavelmente teria gastado menos com retrabalhos ou remendos. Gasta-se muito mais em não contratar um arquiteto do que tentar fazer as coisas do “jeito mais barato”.

Necessidades do cliente.

Para o arquiteto, é fundamental que o cliente apresente suas necessidades e permita que ele reflita e apresente alternativas e soluções. O cliente deve especificar as suas reais demandas e evitar transformar o projeto por completo no meio da execução. Alterações abruptas podem elevar os custos da obra e até mesmo gerar conflitos desnecessários.

Após terem em mãos o projeto aprovado, algumas alterações podem gerar intervenções que exijam aditivos de contrato ou até mesmo um novo contrato.

Quando o cliente não sabe exatamente o que quer, peça ajuda ao profissional. Permita que o arquiteto te auxilie nestas definições. Ele pode te ajudar a eliminar algumas opções ruins, definindo em conjunto prioridades e fatores essenciais que devam ser considerados.

Cofre Porquinho

Remuneração do arquiteto.

Em Brasília, a remuneração de um serviço de arquitetura pode variar bastante. Isto vai depender de muitos fatores, desde a definição do tipo de serviço que será contratado até o nível de detalhamento ou envolvimento do profissional.

O projeto de arquitetura é resultado de um processo. Ele é composto de muitas fases que estão intimamente relacionadas. Sobre esse assunto assino outro artigo explicando-as detalhadamente.

O profissional de arquitetura em Brasília pode ser remunerado por consultoria, por visita técnica, por hora ou por projeto. Os valores são muito variáveis, embora o CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo) ter definido alguns parâmetros de cobrança em nível nacional.

Como prestador de um serviço especializado, o profissional pode fazer alguns ajustes financeiros em função do momento econômico e político do país. No entanto, algumas adequações de contrato podem afetar a qualidade da informação prestada e necessária para executar a obra. Nestes casos, seria importante avaliar contrapartidas, como um contrato de acompanhamento da obra por visita técnica, o que pode ser interessante para ambas as partes.

Em outros casos, uma simples consultoria pode resolver o problema de uma demanda específica. Talvez o cliente só precise de um suporte para redefinir algum espaço, e esta modalidade de serviço possa ser suficiente. Em outras situações, como a construção de uma casa, por exemplo, o projeto de arquitetura deve contemplar todas as suas fases, do estudo ao detalhamento construtivo.

Baseado nestas informações, avalie o nível de comprometimento do profissional que vai contratar, converse bastante sobre o arquiteto, pergunte sobre o material que terá em mãos, o que você vai receber, o suporte na obra e como isso acontecerá. O contrato deve ser discutido antes da contratação. Parece óbvio, mas nem sempre todos lembram disso e acabam se frustrando no final.

Conclusão.

O arquiteto é responsável pela escolha e elaboração do projeto com base nas ideias e possibilidades do cliente. O projeto deve ser dividido em algumas etapas, desde o conceito até a elaboração de detalhes construtivos. O profissional pode, também, proceder com a legalização do seu projeto e prosseguir com o cliente no gerenciamento da obra.

O projeto deve ser considerado como uma visualização técnica, conceitual e financeira do que está sendo reformado ou construído, descrevendo materiais e outros itens importantes para a execução.

Dessa forma, fica mais fácil otimizar o tempo e o dinheiro necessários, além da garantia de uma obra ser bem planejada e realizada com grandes ganhos.

Na prática, o arquiteto pode participar ou não da construção ou reforma do imóvel. Ao participar desta etapa, ele pode realizar avaliações da execução por meio de visitas semanais, quinzenais ou mensais. Pode também gerenciar sua obra como um todo, do início ao fim, fazendo compras, pagamento de funcionários, fiscalizando prazos com fornecedores e prestadores de serviços e outras atividades relacionadas.

Antes da obra, o profissional poderá cobrar por hora, por consultoria ou ainda por valor fixo, a depender do tipo de serviço que será contratado. Outra modalidade de cobrança seria por percentual do valor global da obra, que pode gerar entre 5% a 20%. Em obras pequenas, este percentual pode facilmente ultrapassar 10%. Para obra maiores, a escala crescente de serviços pode oferecer percentuais menores e valores fixos mais acessíveis.